Outro 10 de outubro pra colecionar.

Quando eu fiz 16 anos, já tinha blog. Eu não fiz um post especial nem nada, muito pelo contrário, só reclamei uns dias antes e outros depois sobre como as pessoas eram decepcionantes. 
Quando eu fiz 17 anos, já tinha o Lua. Eu fiz um post sobre evoluir e demonstrei mais uma vez que só sei querer. Querer o mundo todo pra mim e se sobrar tempo, o que restar ainda é meu.
Hoje eu faço 18 anos, e todo ano eu choro um pouco porque sou daquelas que fariam um bem à humanidade pensando um pouco menos. Já chorei por não compreender os outros, já chorei por ter medo de querer tanto, mas dessa vez chorei porque agora o exagero que todo mundo sempre cobrou de mim faz todo sentido. Agora eu não preciso mais crescer, agora eu já tenho que ter crescido.
Mas dessa vez, nesse dia 10 de outubro (que é especial como todos os meus dias 10 de outubro são), eu decidi celebrar como eu nunca celebrei antes. Decidi que vou começar a caminhar com passos menores, quem sabe eu caio menos. Quem sabe se eu não for sempre tão sedenta consiga ser mais resistente, consiga não chorar sempre e consiga, principalmente, não desistir.
Hoje eu vou celebrar todas as partes boas da vida que eu tive a sorte de viver. Eu vou ser clichê mesmo, porque, como todos estão cansados de ouvir, EU ADORO CLICHÊS. Vou rever todas aquelas fotos que me deixam corroída de saudade, tomando o cuidado de não sentí-la dessa vez. Vou saber olhar pra todos os fragmentos bons desses 18 anos, esquecendo os ruins, esquecendo os choros que não foram de alegria. E vou agradecer por ter vindo tão bem até aqui.
Depois, eu vou lá continuar. Reunindo as melhores coisas do meu mundo e tentando, como eu sempre fiz. Aliás, conseguindo, como eu faço de vez em quando.
Finge que eu postei isso de manhã 🙂