Um post muito nada a ver.


Ontem eu fiz 17 anos. É ligeiramente agradável sentir um tipo de evolução dentro de si mesmo. Olhar pra trás é o melhor exercício de auto-conhecimento. Você vê que realmente as coisas mudaram, você mudou, tá tudo melhorando. Aí é que dá uma vontade de olhar pra frente, de seguir, de continuar mudando. Sabe, a gente nunca quer estagnar.
A vida sempre acaba dando certo.
Acordo todo dia com vontades transitórias, a cada dia a imagem que tenho do que vou ser muda. Já me descabelei muito por isso, mas hoje isso é tão bom. Porque por maior que seja o medo disso que parecem ondas debaixo de mim, com certeza é melhor do que ter os pés fincados num chão imutável.
Hoje eu queria viver uma vida cercada de livros e mergulhos dentro de mim mesma e do mundo, no estilo dessas vidas que são uma jornada em busca de algo. A gente busca alguma coisa, não é? Então hoje eu acordei com 17 anos e querendo buscar essa alguma coisa. Sabe-se lá o que é e se eu vou encontrar, mas jornadas me impulsionam. E que venham estradas em mim e no mundo.

Ao som de Só por uma noite – Charlie Brown Jr.; O Preço – Charlie Brown Jr.; Postcards From Italy – Beirut.